Honda Civic LXL 2010

Para mim, foi paixão a primeira vista. Ele parecia ter vindo diretamente do futuro para nossas ruas. Sei lá, 10, 15 anos a frente. Era o ano de 2006, e a Honda acabara de lançar mais uma geração do Civic, a 8ª mundial e a 3ª geração nacional.

Não tinha como eu não me apaixonar por aquele carro: frente bem inclinada, um pára-brisa  grande e inclinado, linha de cintura alta, pneus largos, uma ‘cara’ de mau…..e aqueles limpadores de pára-brisa de varredura oposta. Não tem como não gostar desse carro.

É claro que ele não é perfeito, afinal, nem tudo são flores! A começar pelo silêncio interno que não é dos melhores. Falta um computador de bordo, coisa que até  Palio 1.4 oferece.

Mas é certo que o painel do Civic, ou do New Civic como passou a ser chamado, é muito bonito deixando-o  mais ainda com o tal ar futurista. O contraste do digital com o analógico, no caso o conta-giros analógico com o velocímetro digital, dá um certo charme a esse painel, e, embora eu tenha visto essa mesma combinação em outros modelos de outras marcas, não me pareceu tão agradável.

No caso desse modelo em particular, o que aparece nas fotos e me inspirou a escrever essa matéria, posso falar com um bom conhecimento de causa, pois já estou com ele ha 3 meses. E nesse período eu pude reafirmar algumas virtudes do Civic, constatar a melhora em relação ao meu modelo anterior, que era um Civic EX 2004, e também perceber que algumas coisas no Civic não mudaram nada nem para melhor, nem para pior.

Acabamento

Essa versão – LXL – é equipada com bancos de couro em tom cinza. Combina com o restante do interior. O painel de instrumento é dividido: na parte de cima é um cinza escuro, da metade para baixo um cinza claro que harmoniza bem com o tom dos bancos.

teclas de acionamento dos vidros elétricos, ajuste do retrovisor e travamento ou destravamento das portas.

Como todo carro nacional, usa muito plástico. Se bem que alguns utilizados no painel e nos forros das portas são de textura agradável. Percebe-se que o encaixe das peças é bem feito; não há rebarbas como eu já observei em carros mais baratos. O fechar das portas é de uma suavidade incrível. Até dói quando algum passageiro mais desavisado fecha a porta com mais força.

A forração do porta-malas melhorou em relação ao modelo que eu possuía antes. Nesse LXL a tampa é forrada por dentro. Parece que esse cuidado não foi aplicado à versão LXL do modelo 2012 que está sendo testado pelo site BestCars, no quadro “Um mês ao volante”.

Interior e itens de conveniência

Como já foi dito é conhecido pelos proprietários de Civic, que o modelo carece de itens de conforto e conveniência. A Honda oferece o básico para a categoria.

O modelo é dotado de vidros elétricos nas quatro portas, com acionamento elétrico, mas

detalhe da borboleta para troca de marchas junto ao volante.

somente o do motorista é one touch; outra coisa que não combina é o fato de somente a tecla de acionamento do vidro do motorista ser iluminada. Isso a noite causa uma certa confusão. As travas elétricas das portas são acionadas ao rodar; quando se atinge aproximadamente 15, 16 km/h elas travam automaticamente.

Quando se coloca o câmbio em P, com o carro ainda ligado, e ao girar a chave no sentido anti-horário para retirá-la, as portas são destravadas automaticamente. Mas se invertemos a ordem, ou seja, desligarmos o carro e depois colocar o câmbio em P, as portas não são destravadas.

teclas de controle do som

Como já foi dito, falta computador de bordo. Inaceitável num carro que quando comprado zero quilômetro custa uns R$ 70.000,00. Mais inaceitável se você pensar que o Fiat Palio ou mesmo o Punto em sua versão de entrada de linha, oferecem o equipamento. Não que seja fundamental, mas eu diria que é “divertido” acompanhar o consumo instantâneo, médio, e em estrada, principalmente, ficar atento à autonomia. Ponto para a Fiat que oferece o equipamento em quase todos os carros da linha.

O Civic LXL traz de série controle de cruzeiro – que mantém a velocidade  programada – e

teclas de acionamento do “piloto automático”

controles do som no volante. Ah…. outra coisa que deixa ainda mais divertido dirigir esse carro são as borboletas para troca de marchas junto ao volante.

O encosto do banco traseiro é bipartido, mas não oferece a possibilidade de ser rebatido de dentro do carro. Para ter acesso a essa funcionalidade, só abrindo o porta-malas e puxando as alavancas. Não que isso seja um defeito grave, mas a Honda poderia ter pensado em colocar algum dispositivo que permitisse rebater o banco, de dentro do carro.

O Civic é dotado de alarme a distância, que, ao ser acionado, trava as portas mas não sobe os vidros. Ponto negativo para o Civic. Mas tem pontos positivos: com o alarme você pode destravar apenas a porta do motorista, as quatro de uma vez e ainda abrir o porta-malas. Quando se aciona o botão apenas uma vez, é a porta do motorista que se destrava. Apertando-se o botão duas vezes em sequência, abrem-se as demais portas.

Um outro ponto que gosto muito nessa versão do Civic, é a grande quantidade porta-trecos espalhados pelo interior do carro: quatro bolsas laterais (uma em cada porta), um sob o descansa braço, dois junto à alavanca do câmbio (ambos com cobertura corrediça), um onde seria um cinzeiro e dois do lado esquerdo, no painel. O espaço existente sob o descansa braço é bem generoso. Ali cabe uma garrafinha de 500ml de água mineral, um porta-cd, e “n” outras coisas. Se fosse refrigerado seria perfeito!

Conforto

No banco de tras com conforto mesmo apenas dois ocupantes. O pobre terceiro ocupante vai ficar mal acomodado, pois no encosto fica um descansa braço com porta-copos. Em contrapartida, cintos de segurança com três pontos e encosto de cabeça para todos.

O espaço interno é bom.  Quatro adultos viajam com conforto. O porta-malas não é dos mais espaçosos mas atende. Mas convenhamos também né… geralmente, o proprietário desse tipo de automóvel quase não viaja grandes distâncias de carro. No máximo um passeiozinho de duzentos quilômetros no fim de semana. Se a viagem for maior, ele irá de avião certamente. Assim sendo, para um carro urbano e viagens esporádicas o porta-malas atende satisfatoriamente.

linha de cintura alta, janelas estreitas e carroceria baixa: o sedan nasceu com alma esportiva

A mão que afaga é a mesma que apedreja! No caso do Civic, a baixa altura da  carroceria que privilegia a estabilidade e o belo visual esportivo é a mesma que dificulta a entrada e saída dos ocupantes. Eu,  que sou uma pessoa de baixa estatura, já sinto que tenho de fazer um certo contorcionismo para entrar e sair do carro, fico pensando no desconforto de alguém com 1,80m de altura. Essa operação deve ser feita com cuidado para não bater com a cabeça na carroceria.

retrovisores externos com repetidores das luzes de direção.

Na versão LXL o ar-condicionado não é automático nem digital. Notei uma leve piora em relação ao modelo que eu possuía antes. No antigo EX 2004 eu percebia uma gradação da temperatura na medida em que eu girava o termostato. Nesse LXL 2010 a mudança de temperatura parece não ocorrer de forma tão suave.

As saídas do ar não estão posicionadas altas o suficiente, de modo que mesmo quando totalmente dirigidas para cima ainda chega ar gelado em nossas mãos quando estamos com estas no volante. Lendo uma matéria da época do lançamento desse carro, lembro que a Honda fez uma alteração no compressor do ar-condicionado. Eu pude perceber que o sistema é eficiente, mas não é rápido em resfriar todo o habitáculo. Eu tenho a impressão que demora um pouco mais do que no meu antigo Civic para que a cabine atinja uma temperatura agradável. Talvez seja influência da cor da carroceria, que é preta!
De maneira geral, o Civic é bem confortável! Sua suspensão, que é independente nas 4 rodas filtra bem as irregularidades do solo, transmitindo muito pouco as imperfeições para a carroceria. Percebo isso quando passo por asfalto irregular: dá pra sentir a suspensão trabalhando, filtrando as irregularidades. É claro que ele não como um Corolla ou Azera, então alguma coisa chega no carro, mas bem pouco.

 Os pneus que equipam o carro desta matéria são os mesmos que equipam o Civic LXL que está sendo testado pelo site BestCars (http://www.uol.com.br/bestcars)   no quadro “Um mês ao volante”, ou seja, são os Goodyear Excellence, e também posso afirmar: esses pneus são muito ruidosos. Em contrapartida oferecem muito boa estabilidade, transmitindo muita segurança em curvas e frenagens a quem estiver dirigindo esse carro. Não fosse isso, a 80 km/h constantes em quinta marcha, e com o motor sussurrando a pouco mais de 1.500 RPM o silêncio no interior do Civic seria quase absoluto! Exageros a parte, é claro! 

Eu não gosto do sistema utilizado no Civic para ajuste do encosto. O Civic usa uma alavanca, como um Palio Fire, com posições pré-definidas. Seria muito melhor se utilizasse aquele sistema giratório, que permite ajuste milimétrico do encosto. Em contrapartida, o ajuste de altura do banco melhorou em relação à geração anterior. No anterior era um botão giratório, muito antiprático e que ficava pesado na medida em que o banco subia. Agora não.  Agora é uma alavanca. Movimenta-se para cima para erguer o banco, e para descer é só movimentar para baixo.

Desempenho e consumo

Leitores, por favor, peço que me desculpem se nessa matéria eu não conseguir ser totalmente imparcial. É um tanto difícil ser imparcial quando se escreve uma matéria sobre um carro pelo qual se é apaixonado. Mas é claro que isso não me deixa cego aos defeitos do Civic, de jeito nenhum. Mesmo gostando muito desse carro, sou muito crítico, bem como com todos os carros que tenho a oportunidade de avaliar.

Vamos falar sobre o motor!  Este modelo utiliza um motor de 1.799 cc, ou seja, é um carro 1.8. O tipo de motor é um SOHC i-VTEC 16V. Tá… e daí? o que quer dizer esse tanto de letra? Bom, SOHC é a sigla (já traduzida para o português) para Comando de válvulas simples no cabeçote. O 16V acho que vocês já sabem, quer dizer 4 válvulas para cada cilindro. Lembram do Palio 16V? Do Gol 16V? Isso dá mais potência ao carro. E esse tal de VTEC? Bom, VTEC é um sistema utilizado nos carros Honda, que nada mais é do que um comando de válvulas variável com controle eletrônico da variação dos tempos e levantamento das válvulas. Esse sistema permite conciliar potência, torque e consumo de combustível tanto em baixas rotações quanto em altas. Via de regra carros 16V tendem a ter pouca potência e torque em baixas rotações. Lembram dos carros “mil” 16V? Para que a gente pudesse ter força tinha de levar o motor a altos giros, geralmente eles só respondiam bem por volta de 4 mil a 4.500 RPM. Abaixo disso eram muito lerdos.

Esse sistema da Honda, o VTEC, contorna esse problema. Como ele tem um comando de válvulas variável, mesmo em baixa rotação o carro não é lerdo, como seria um 16V normal; e em altas rotações o carro fica ainda mais esperto.

O Civic LXL desenvolve 140 cv quando usa o etanol como combustível e 17,7 kgfm de torque a 6.200/4.300 rpm respectivamente. Com gasolina esses valores caem para 138 cv a 6.200 rpm e 17,5 kgfm a 5.000 rpm; não é uma perda expressiva nem em potência nem em torque.  O  Peugeot 408 consegue valores maiores quando utiliza etanol como combustível. Atinge 151 cv com etanol e 143 com gasolina. Em relação ao Civic e usando o etanol como combustível a diferença em favor do 408  é brutal: são 11 cv a mais. Mas quando o que alimenta o motor é o derivado do petróleo, essa diferença cai para apenas 5 cv em favor do carro francês.

comando de abertura da tampa para o reservatório da partida a frio.

Na prática eu senti que o Civic responde melhor quando se utiliza o etanol como combustível. Até o ronco do motor é diferente. Ele fica mais esperto ao toque do acelerador. É claro que ele cobra o preço no consumo. É uma pena que aqui em Brasília a diferença de preço entre gasolina e etanol não seja vantajosa para o derivado da cana. Mas como eu queria medir o consumo e avaliar o desempenho, ha duas semanas estou com etanol no tanque.

E por falar nisso, como estamos no inverno, época de temperaturas baixas principalmente pela manhã, como é a partida a frio do Civic? Até agora, perfeita. Nessas duas semanas, em um dia apenas a partida foi um pouco mais difícil, necessitando de mais de uma girada de chave. Interessante é que eu não ouvi o característico barulho do motorzinho injetando gasolina no motor. Se valesse a pena aqui no Distrito Federal, só usaria o álcool. Só para constar, aqui em Brasília, no inverno, a temperatura pela manhã está na casa dos 15 graus chegando aos 10 em manhãs mais frias.

adaptador bluetooth para comunicação com a central de injeção eletrônica

O Civic não tem computador de bordo, como já foi falado. Mas eu encontrei um aplicativo para Android que consegue cobrir essa lacuna.  Mas para isso é preciso um adaptador OBD2, que você conecta na porta de diagnósticos da central de injeção eletrônica do carro e ter instalado em seu celular (i-Phone ou Android) o aplicativo Torque.

Esse aplicativo é sensacional. Ele tem várias funcionalidades. Mede consumo instantâneo, consumo médio, dá a autonomia aproximada do combustível que está no tanque, mede a distância percorrida, tempo, velocidade média no percurso e vários outros dados.

Sempre que lia alguma matéria sobre o New Civic, sempre via algo de negativo em relação ao seu consumo. Beberrão era o adjetivo que eu via com mais frequência. Até fiquei um pouco amedrontado quando comprei esse carro. Mas para minha surpresa, seu consumo não tem sido dos piores.

No trânsito urbano e usando a gasolina como combustível a média geral é 9,42 km/litro. Considero razoável visto que utilizo o ar-condicionado em 90% do tempo, e meu trajeto diário não favorece o consumo, pois tem vários quebra-molas e algumas paradas que exigem a utilização constante de primeira e segunda marchas.  Nesse período, a melhor média obtida foi de 9,74 km/litro, e a pior ficou em 8,87 km/litro.

Uma das telas do aplicativo Torque Pro, para Android, Consumo médio em Km/l

Em estrada não tive do que me queixar. A média geral ficou em 12,30 km/litro, sendo a melhor média de 13,48 km/l e a pior em 10,63 km/litro com gasolina. Ainda não tive a oportunidade de testá-lo em estrada usando o etanol.

Já com o derivado da cana no tanque, a primeira média obtida foi de 7,6 km/litro. Não é um número maravilhoso. Mas apenas para efeito de comparação, eu tive um Palio Fire 2008 Flex, que com álcool, na cidade, não fazia mais do que 8,5 km/l. Considerando que trata-se de um Civic 1.8 com 140 cv e com câmbio automático, é um número que julgo razoável. Me lembro de carros da década de 80, como o Monza a álcool, também 1.8 mas com bem menos potência e sem ar-condicionado, que faziam essa média ou talvez até menos.

Aqui em Brasília não compensa, mas no estado de São Paulo, onde o etanol é bem mais barato, talvez valha a pena rodar com esse combustível.

Velocidade máxima que esse carro alcança eu não sei. Como não sou piloto de testes e nem tenho um lugar apropriado para isso, não dá para contar com a sorte em rodovias, ainda mais as brasileiras. Em duas viagens que fiz com esse carro, no máximo eu cheguei a 150, 160 km/h para ultrapassagens, logo retornando à velocidade de cruzeiro de 120 km/h.

Aliás, a velocidade é um ponto que quem estiver dirigindo esse carro tem de tomar cuidado, principalmente em estrada, pois  não nos damos conta do aumento dela. O câmbio tem relações longas, o motor gira baixo. Quando menos se vê, já se está a 120 por hora, e sem muita pressão no acelerador. É um carro que roda tranquilamente a 160 km/h sem muito esforço, e ainda consegue transmitir segurança para quem está dentro. Motoristas, cuidado!

Considerações finais

Para quem gosta de sedans com apelo esportivo, e não precisa de um porta-malas imenso, o Civic é o carro.

Pode não ser tão confortável e silencioso como o Corolla, mas é bem mais divertido e gostoso de dirigir. Além é claro, de ser bem mais bonito.

A manutenção do Civic é relativamente barata, a começar pelo óleo. Ele usa óleo mineral 10W30, da Honda. Não custa nem 20 reais o litro, enquanto a maioria dos concorrentes utiliza óleo 100% sintético que beira os 30 reais o litro. O cárter é pequeno: são 3,5 litros já com o filtro de óleo.  Como ele não tem correia dentada e sim corrente de comando, um item a menos para substituir.

Mas se você quiser fazer todas as revisões em autorizada, se prepare. Algumas revisões, especialmente a de 60 e 80 mil são bem salgadas, chegando fácil, fácil em R$ 1.200,00.

De resto é o que você já ouviu falar de Honda. É um carro robusto, que se bem manutenido não vai te dar dor de cabeça. Siga o plano de manutenção que está no manual e não terá problema. Meu Civic anterior já estava com 190 mil km rodados quando o vendi; e ainda assim, em perfeito estado de funcionamento, sem baixar nada de óleo.

O custo do seguro é outro ponto que pesa a favor do Civic.  A depender do seu perfil, pode custar no máximo R$ 1.300,00. A franquia é que não é muito barata, pois passa de 2 mil reais.

Este slideshow necessita de JavaScript.

O Civic é um excelente carro. Apesar de custar caro no Brasil, vale a pena.  Aqui eu peço licença à Volkswagen para usar o seu slogan: “Civic: você conhece, você confia!”

Anúncios

Sobre lcnoliveira

Um motorista comum mas muito interessado no universo automotivo.
Esse post foi publicado em automóveis, automóveis e marcado , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

45 respostas para Honda Civic LXL 2010

  1. carlos disse:

    muito boa a avaliação.

  2. Rafael disse:

    Muito legal sua avaliação, estou indo buscar o meu LXL 2010 amanhã, e espero ser muito feliz como você com seu carro.. att Rafael.

  3. Ulisses disse:

    Vendo essa avaliação na data de 17/12/2013. Estou quase certo em comprar um Civic seminovo 2010. Muito boa detalhada e verdadeira avaliação.

  4. Reinaldo disse:

    Amigo, meu primeiro Civic foi do ano de 1999 LX adorei o carro fiquei louco e apraixonado e hoje tenho um LXL 2011.Abraço Essa avaliação foi melhor do que as da Honda que ja li PARABENS!!! a Honda deveria dar um PREMIO para você. Reinaldo – Guarulhos

  5. Mauricio Velox disse:

    Excelente avaliação, principalmente pra quem teve um new Civic, você falou tudo como realmente é. Parabéns!!

  6. Vitor Augusto disse:

    Realmente a avaliação foi show de bola, da pra sentir a honestidade em suas palavras. Estou prestes a adquirir um novo automóvel e a dúvida era entra civic(que sou apaixonado) e o corolla (que sempre ouço sobre o custo beneficio), porém creio que vou ouvir a voz do coração, e pegar o tão sonhado LXL 2010. Parabéns pelo artigo.

  7. jorge disse:

    gostei da avaliação tenho um 2007 e pretendo trocar por um mais novo era meu sonho de consumo estou satisfeito!

  8. Gustavo Bueno disse:

    Parabéns pela avaliação.
    Gostaria de saber onde comprar e por qual valor o scanner. Tenho um Civic 2010, estou muito satisfeito pela aquisição.

  9. João disse:

    Sem dúvidas, uma das melhores avaliações que já vi sobre o New Civic!
    Há alguns meses adquiri um idêntico ao seu, também LXL 2010 AT. Pesquisei no google sobre o carro antes de adquiri-lo e acabei caindo neste blog.

    Na minha opinião, o único ponto que acaba deixando um pouco a desejar é o som que não vem com USB de fábrica, mas existem alternativas para resolver este problema. Basta pesquisar na internet para conhece-las.

    Abraço

    • lcnoliveira disse:

      Obrigado pela visita ao meu blog e leitura da matéria, e mais ainda pelos elogios!
      Espero que você esteja gostando do seu carro, pois eu estou totalmente satisfeito com o carro. Não é perfeito, mas é muito bom.

    • Reinaldo disse:

      Amigo, tenho um 2010 mod. 2011 LXL concordo com os apontamentos, mas vamos falar a verdade o NEW CIVIC é uns dos carros mais lindo!!!!!!!!!!!onde chego não tem um que chega perto e puxa assunto sobre o carro. amo meu CIVIC.ABRAÇO!!!!!!!! a todos apaixonados por HONDA.

      • lcnoliveira disse:

        Concordo! O New Civic é realmente um dos carros mais bonitos em nosso mercado.
        Mas fiquei decepcionado com o modelo 2014/2015, pois esperava uma traseira remodelada como foi feito com o modelo americano. A frente do Civic continua bonita, mas aquela traseira….. eu não sei o porquê daqueles apliques no porta-malas! Seria melhor sem eles.

      • isnarde disse:

        Estou avaliando pegar um T. mecânica lxl 2010 (111mil KM prata aparentemente mais conservado esteticamente) ou 2011 LXL (68.100 km preto com aerofólio{desconfiado da baixa Kilometragem} )

  10. Excelente avaliação. Fiquei na dúvida entre um Civic LXL e um Corolla Xei, mas acabei fechando no civic e não me arrependi. Como uso basicamente em estradas, estou curtindo muito. É um carro que gruda nas curvas e mantém velocidade sem muito esforço. Irei adquirir um desses scanners também, sinto falta de um computador de bordo igual tinha no meu ex-carro e por sorte achei seu review. abraço

  11. walker disse:

    Excelente avaliação.

  12. Valtemir disse:

    Parabéns pela avaliação do Civic LXL. Eu também sou um apaixonado por esse carro New Civic, e devido a essa paixão eu adquiri um EXS 2009/2009 Flex Top de Linha que já possui computador de bordo e controle de estabilidade. Estou com o carro já a um ano e muito feliz com o mesmo, o consumo do meu carro a gasolina fica na média entre 9.0 a 10.5 Km/L na cidade, eu ainda não fiz o teste de consumo com combustível “Etanol” e nem em Rodovias.

  13. wilson pimentel disse:

    Parabéns matéria excelente tenho um lxl 2010 e estou muito satisfeito. Ouvia falar bem sobre o carro mas não imaginava q era tão bom assim superou minhas expectativas!!!

  14. everton disse:

    Vale a pena ter o civic lxl mecânico? Como ele se sai em termos de consumo e desempenho?

    • lcnoliveira disse:

      Eu não acho que vale a pena. Quem procura um carro da categoria do Civic quer um automático. Em termos de consumo pode ser ligeiramente melhor do que o automático, mas em desempenho será quase a mesma coisa. Talvez uma pequena vantagem em aceleração e velocidade final dado ao maior peso da transmissão automática.

  15. Wesley disse:

    Quem dera o meu seguro ficasse em R$1.300,00, aqui na capital do Espirito Santo em meu nome que tenho menos de 25 anos o mais barato ficou um pouco acima de R$7,000.00, no nome da minha Mãe ficou em R$4,300.00, mas em contrapartida a franquia está em R$1.700,00

    • lcnoliveira disse:

      Infelizmente pela sua idade você encontra-se no chamado “grupo de risco” das seguradoras. Mas a diferença é gritante. Mesmo com o seguro no nome da sua mãe, o valor ainda está alto.
      Segundo a minha seguradora, o índice de sinistralidade com o Honda Civic aumentou demais.

  16. Artur disse:

    Onde você comprou o adaptador OBD2 ? E quanto custou ?

  17. Hernane disse:

    Amigo, parabéns pela avaliação, muito boa.
    Em relação ao adaptador, tenho um multimídia angroid instalado e queria saber se o adaptador aguenta ficar ligado full time na central para eu acompanhar sempre na tela.
    E qual é o nome do aplicativo Android?

    • lcnoliveira disse:

      Sim Hernane, aguenta sim. No meu carro ele ficava direto.

      • André Bastos disse:

        Amigo, vc acha que vale a pena comprar um 2010/2011 mesmo agora em 2016, já passado todo esse tempo?

      • lcnoliveira disse:

        Eu acho sim que pode valer a pena, desde que você pegue um modelo bem conservado. Faça uma avaliação criteriosa, principalmente do câmbio se for automático. Um reparo nessa peça pode te custar muito caro. Verifique se o dono anterior foi cuidadoso o suficiente para manter as revisões em dia, ainda que fora da autorizada. O Civic é um bom carro, desde que bem cuidado. Meu primeiro Civic foi um EX ano 2004, e eu o comprei em 2009, portanto ele já contava aí com 5 a 6 anos de uso e quando o comprei estava com 104 mil km rodados. Quando o vendi ele já estava com 190 mil km rodados e o motor ainda estava em ótimas condições.

  18. Inaldo disse:

    Não tem discussão. Já tentei comprar um Corolla, mas é só entrar e desistir, pois quando se conhece um Civic…. não tem jeito é paixão. Aí fica difícil gostar de outro carro. PAIXÃO POR CIVIC É PLEONASMO.

    • lcnoliveira disse:

      É verdade. Embora saibamos que o Corolla tem menor custo de manutenção e melhor valor de revenda, eu por exemplo, não me vejo sendo proprietário de um Corolla. Apesar de que essa geração que veio em 2011 não é a mais bonita delas. Vamos aguardar pela próxima, que tem previsão para chegar no segundo semestre de 2016. Esse sim, parece que será show de bola. Embora seja apaixonado por esse carro, eu não sou cego aos seus defeitos. Acho, por exemplo, um absurdo um Civic LXL 2010 não ter um computador de bordo (até Fiat Palio tem) ou não ter iluminação nos botões dos vidros elétricos.

  19. Paulo Estevao disse:

    Parabéns, muito boa essa avaliação!

  20. Ramlyg disse:

    Caro amigo, tenho um dúvida, posso usar o scaner com o carro andando (para poder visualizar os dados) por quanto tempo ? ou não há problema de usar direto assim como ex: uns 700 km é o km de minhas viagens. valeu !!

  21. gilson disse:

    Boa noite! Gostaria de saber qual é o kit de embreagem para o new civic 2010 LXL 1.8 FLEX, uma vez que procurando pela internet vejo que tem 3 marcas diferentes com números de estrias diferentes (20,24 e 25), e perguntando aos vendedores todos me informa que o kit é para o meu carro, como vou saber sem ter que tirar a minha do carro?

  22. LENDONIR disse:

    Boa noite tenho um Honda Civic 2010 esta com 127000 km e nuca foi trocado a correia como posso saber se esta na hora da troca

    • lcnoliveira disse:

      Lendonir, o ideal é que você confira no manual do proprietário qual é a quilometragem recomendada para troca. Geralmente a correia de acessórios é trocada aos 80 mil km (não estou certo, preciso checar no manual do meu carro, que não está comigo no momento).

  23. Nilson Tolentino disse:

    Ola Luciano e os demais pessoal q comentaram por favor me ajudem,estou com uma duvida entre o Civic 1.8 2010 ou 2011 ou o Renault logan expression 1.6 2014 ou 2015 que é mais ou menos o mesmo preço sou apaixonado pele Civic, mas a razão pede para eu levar em conta o custo beneficio do logan q é bom carro, mais novo modelo atual,mas cada um sabe aonde aperta o seu calo tenho um fox 2005 1.0 e qual quer um dos dois seria um grande feito para mim. O que vcs acham, sei que não tem comparação o civic é muito mais carro q o logan eis a questão um usado de luxo ou um semi-novo mais modesto. Nilson Tolentino

    • lcnoliveira disse:

      Nilson, realmente essa é uma questão difícil de opinar, pois envolve muito o gosto pessoal, além do lado financeiro.
      Não resta dúvida, como você mesmo já percebeu trata-se de dois carros de categorias bem distintas. O Logan um sedan compacto, entrada de linha, o Civic um sedan médio (não é carro de luxo). O Civic é sim bem superior ao Logan em qualidade, conforto, desempenho, estabilidade. Claro que vai perder no quesito consumo e custo de manutenção. Não se engane com o Civic, apesar de ser um carro confiável e com fama de resistente, sua manutenção é cara; as peças não são muito baratas; mas não é aquele carro que vive em oficina. O Logan já deve ter alguns custos mais em conta. Mas claro, não espere muito do carro nem em conforto nem em desempenho. O Logan tem um ótimo porta-malas e um ótimo espaço no banco traseiro, mas seus bancos são desconfortáveis e o acabamento interno é bem pobre. Escrevi uma pequena matéria sobre o Logan na qual abordei esses aspectos. O problema de você pegar um Civic mais velho é o cuidado que você tem de ter na escolha, pois a probabilidade de você pegar um carro mais detonado é maior. O Civic é um dos preferidos pelos garotões justamente pelo seu perfil mais esportivo. Se você busca um carro dessa categoria, confortável e confiável e com baixo custo de manutenção (mas não de aquisição), eu sugiro a você dar uma olhada no Toyota Corola.
      Fora isso o que eu sugiro a você é colocar tudo na ponta do lápis e ver qual é mais vantajoso. Veja o preço do seguro, custo do IPVA, combustível e custo da manutenção.

  24. Nilson Tolentino disse:

    Obrigado pelas dicas,e em relação a quilometragem do carro, um carro com 80.000 km e com 8 anos a media fica de 10.000 por ano essa media é uma media boa ou esta muito rodado.

    • lcnoliveira disse:

      Supondo que seja a quilometragem original, 10 mil km ao ano é bem razoável, dependendo da cidade e de qual uso o dono anterior fazia do carro. Aqui em Brasília, dado às grandes distâncias entre os pontos, é bem comum um carro rodar entre 12 e 15 mil km em um ano.

  25. Fernando Loureiro disse:

    Luciano, muito bom suas considerações, mas uma coisa me chamou a atenção; estou com um Civic a poucos dias, um LXL 2010 automático e hoje fiz a média de consumo a gasolina na cidade e me assustei, fez exatos 6,1 K/h . Como vc falou diferente, pergunto: o que pode estar concorrendo para este alto consumo? Olha que mantenho o pé até 2.500 giros.
    Obrigado!
    Fernando Loureiro
    Vila Velha – Espírito Santo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s